O Final Ideal Para Caminho Das Índias

19 04 2009

Bem vindo a Globo... digo, Bollywood.

Eu não assisto. Nem sei o nome dos personagens direito, mas minha mãe e tia assistem, e vira e mexe ouço um Hare Baba, ou um suspiro pelo tal Bahuan (é assim?) e um Rage, ou Raj, sei lá o nome. Também já vi que o Tony Ramos tem uma loja de tecidos e umas meninas ficam dançando na casa dele todo o dia, toda a hora. Sei também que Glória Perez quis fazer o mesmo sucesso que fez com O Clone. Tanto que quando a novela começou, surgiram tags no Twitter como #oclone2, #caminhodoclone, entre outras. Tudo isso constata que a novela é um big #fail.

Daí que estava na padaria esperando minha pizza de alho e me peguei imaginando o final dessa bizarrice toda.

Tipos que tinha que ser uma parada bem Bollywodiana. Com música, cor e dança. Muita dança. Imaginei que todos os personagens se encontrariam na Índia, porque afinal, Índia está no quintal do Brasil.

Daí que as pivetas que ficam dançando na casa do Tony Ramos invadiriam a loja de tecidos, pegariam as mais finas sedas – Peraí, tem seda na Índia? Não importa, a Globo coloca lá. – Então, com as mais finas sedas em mãos, as meninas sairiam correndo por toda a Índia, com um largo sorriso de contentamento no rosto, e lógico, ao ritmo de alguma música com uma letra bizarra aos nossos ouvidos, mostrando todas os pontos turísticos da Índia, e lógico as locações. Podem até chegar ao Brasil, trazendo os personagens de lá pra Índia com uma simples balançada no pano. Efeitos por Hans Donner, claro. Essa parte eu deixo como opcional por questões orçamentárias.

Enfeitariam com seda colorida desde o Taj Mahal, passando por templos dos deuses Sheeva, Brahma, Vishnu e mais um monte que não me lembro o nome. Já viram o panteão Hindu? Então. Táca pano em tudo com sorriso na cara e quando chegar naquela rua indiana que todos os personagens se reúnem, e lógicamente lá estão eles dançando, as meninas do pano envolvem a todos, amarram, amordaçam e os carrega para o Ganges. Sim, aquele rio que tem cadáver passando, é poluído e o povo da novela finge que se joga nele pra tirar o mau olhado, a zica, ou sei lá o quê.

No Ganges, os atores começam a jogar água um no outro, felizes da vida. Tomada geral em todos os atores. Close nos personagens principais com nome do ator à direita e respectivo personagem à esquerda do vídeo. Tomada na escada do Ganges com os secundários, nessa hora os nomes passam rápido, só os nomes dos atores, claro. Sobe a imagem de Ganesha, bem como a câmera para uma tomada geral da Índia com todos os personagens, inclusive os figurantes, dançando ao som da música indiana genérica. Ao final da música todos gritam NAMASTE, e jogam os panos para o alto. Entra mais uma montagem feita por Hans Donner, que se aproveita dos panos que flutuam, para formar o nome da novela. Fim.

Lembrem-se, vocês viram primeiro aqui. P.S.:  Tamo aí, Glória Perez!

Se ela pôde porque eu não poderia?

Parece mas não é.


Ações

Information

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: