Cinema: G. I. Joe The Rise Of Cobra

15 08 2009

G. I. Joe - The Rise Of Cobra

O que esperar de um filme baseado na coleção de figuras de ação da Hasbro, os ‘bonequinhos’ do G. I. Joe? Explosões, gente bonita, e claro, te deixar com aquela vontade de entrar na primeira loja de brinquedos e comprar um bonequinho do Storm Shadow e outro do Snake Eyes assim que a sessão terminar!

Com direção de Stephen Sommers, que é conhecido por seus filmes que entretem sem compromisso, como Van Helsing e a trilogia A Múmia. Stephen brinca com o filme como se estivesse realizando seu sonho de criança. Os atores atiram, levam tiro, saltam, caem, brigam, beijam (beijos ridículos, só pra constar), e tem flashbacks. Vários. Sofridos. Na chuva, porque não tem como fugir do clichê.

O filme começa em um futuro não muito distante. O exército transporta uma nova arma com nanorobôs que destroem tudo o que é aço e só param quando são desativados por um controle remoto. O transporte segue bem até os Cobra, um grupo de vilões com armas de tecnologia e treinamento superior ao do exército, atacarem o comboio atrás das tais armas. O capitão Duke, interpretado por Channing Tatum (que já foi stripper mas sem tirar a cueca, só pra deixar claro) e seu braço direito Ripcord, Marlon Wayans, que você provavelmente conhece pelas comédias Todo Mundo em Pânico, são salvos pelos G. I. Joe, uma divisão super secreta do exército internacional de inteligência, armas, tecnologia e treinamento tão avançados quanto os Cobra. É dado o ponta pé para várias reviravoltas, explosões e muita coisa acontecer ao mesmo tempo. Lógico que para haver uma, duas ou três continuações.

Com atores conhecidos, como Arnold Vosloo, interpretando o vilão camaleão Zartan e Brendan Fraser em uma participação muito rápida como Sargento Stone. Pois é, Imhotep e Richard O’Connell em lados opostos de novo! E claro,  Adewale Akinnuoye-Agbaje (quero assistir uma entrevista com alguém dizendo o nome dele completo!) que os fãs de Lost conhecem como Mr Eko, interpretando Heavy Duty. Das gata-garotas temos a linda Sienna Miller, interpretando Ana, a baronesa. Sienna já deu vida a Victoria em Stardust. Rachel Nichols, é Scarlett, a nerd dos Joe. Rachel já atuou no seriado Alias, de J J Abrams. Será que isso pesou na escolha da atriz para a personagem?

G. I. Joe – The Rise of The Cobra (G.I. Joe – A Origem de Cobra) é uma rentável colcha de retalhos. Há diversos personagens que permitem diversas continuações tanto em grupo como histórias fechadas com um ou dos integrantes. Particularmente quero muito que façam um filme solo do Storm Shadow. Byung-hun Lee fez o personagem todo afetado, um verdadeiro Elvis assassino from Japan!





Cinema: Dorian Gray – Oliver Parker

28 07 2009

Dorian Gray - 09-09-09

Mais uma adaptação de O Retrato de Dorian Gray, Oscar Wilde, para os cinemas. Essa vêm pelas mãos de Oliver Parker, que já adaptou para as telonas Othelo (1995), de Shakespeare e An Ideal Husband (1999), outra obra de Oscar Wilde.

BBen Barnesen Barnes (Stardust (2007), The Chronicles of Narnia: Prince Caspian (2008)) interpretará Dorian, o jovem de beleza estonteante que após ter noção desta através de um quadro pintado por seu amigo Basil e pelas palavras instigadoras de Lord Henry, se perde apaixonadamente pela própria beleza e deseja do fundo de seu coração mantê-la para sempre. Forças desconhecidas tornam este desejo realidade e fazem com que seu quadro envelheça e fique  horroroso a cada “pecado” cometido, mantendo a beleza e juventude de Dorian pela eternidade.

O livro é aberto a diversas interpretações psicológicas, sexuais e sociais além de transitar pela metalinguagem. A obra já teve diversas interpretações para o cinema, sendo a última a participação do personagem principal da obra em A Liga Extraordinária (2003), vivido por Stuart Townsend.

Dorian Gray chega aos cinemas em 09 de Setembro deste ano. Veja o trailer:

The Picture of Dorian Gray carrega uma grande carga biográfica devido a crítica social que Oscar Wilde faz a sociedade do século XIX. Pessoas que escondem suas perversões, traições amorosas e uso de pessoas para chegar a objetivos egoístas atrás das máscaras sociais são claramente identificadas na obra, tornando-a universal e atemporal. Por isso as várias versões cinematográficas da obra, desde versões em cinema mudo até a utilização de Dorian em A Liga Extraordinária como o Ser sem sentimentos.

Lembrando que Oscar Wilde sentiu na pela toda a hipocrisia de uma sociedade quando todos lhe viraram as costas, perdendo todo o dinheiro e quase a dignidade completa sendo preso e humilhado quando acusado de ter um relacionamento homossexual com Lord Alfred Douglas, ou Bosie.

O trailer dá a dica de que Oliver Parker manteve todo esse tom sombrio e luxurioso da obra original. É esperar de dedos cruzados para ver.