Vários Em Um Só

17 06 2009

…ou Complexo de Fernando Pessoa.

Quando era menor tinha uma imaginação muito fértil e espontânea. Quer dizer, toda criança é assim. Ou melhor, nem toda. Minha sobrinha, que na verdade é prima, filha da minha prima, não tem imaginação. Tenho dó. Como eu sei? Fim de semana, churrasco com a família, irmã e primas dela brincando de casinha e escolinha e a menina levando tudo a sério! Não entrou no personagem. Tipo, não vai conseguir jogar RPG! Muita dó!

Voltando. Eu tinha muita imaginação na minha infância e hoje tenho que anotar rápido uma idéia, fazer um rascunho rápido de algum desenho que martela a minha cabeça. Só que eu tenho muitas idéias de várias coisas. É a velha história de querer abraçar o mundo. Meus braços são até grandes (quem me conhece que o diga. Calma não é nada bizarro =P), mas não o suficiente. Agora encasquetei que quero um site (na verdade um blog, porque né? Humildade sempre!) bonitinho, .com e tals. O problema é que detesto linguagem de programação. Já contei a história do Web Design que curso por ser um “cavalo dado”? Só estou lá pelo “Design”, digamos assim. Mas enfim, darei o meu melhor nesse quesito. Vai que gosto, né?

Sabe o que piora mais as coisas? Desde que me entendo por gente há uma fase do ano em que volto pra dentro de mim e como uma ostra me fecho pro mundo. Isso sempre acontece no Outono/Inverno, época que detesto. Detesto passar frio. Não nego que é a época em que o pessoal é mais elegante, tem quentão e pé-de-moleque, mas ODEIO sentir frio, sair com um monte de blusa, não gosto. Inveja dos ursos, hibernaria fácil. Nessa época do ano assumo uma outra personalidade. Fico em casa desenhando (como se soubesse), escrevendo (como se fosse algo que valha), navegando na net. Essa persona devia até ganhar um nome…

Falando em ostra, ontem comi marisco. Coisa besta. Primeiro que não gosto de peixe. O único que gosto é salmão. E se for ao molho de maracujá, casa comigo! Enfim, Aquele troço amorfo, de cheiro horrível, acabou me embrulhando o estômago. Não é paladar de pobre Senhor @Ananista e Senhora @Egalan, mas sim paladar de um carnívoro. Me chama pra um churrasco. Melhor, me chama pra comer lasanha e aí seremos amigos 4EVER!

Sim, esse post não fala nada nem acrescenta algo a alguém. Só queria escrever, mesmo. Obrigado pelo espaço, WordPress o/





Pessoas Que Mudam Nossas Vidas

25 04 2009

Mestre Yoda

Admiro minha mãe desde criança. Ela me criou sozinha, sempre me orientando em tempos difíceis da minha vida. Ela tem um grande poder sobre mim. E a velha sabe disso. Sabe tanto que às vezes flerta com o lado negro da força, me manipulando. Mas nesse caso já estou bem treinado e a deixo achar que está no controle. Com certeza você tem alguém assim na sua família ou círculo de amigos. Deixando o lado negro de lado, eu lembro das pessoas que me influenciaram e me orientaram a ser quem eu sou hoje. Estou falando de formação acadêmica, que está intimamente ligada a formação pessoal.

Quem me segue no Twitter sabe que estou odiando o curso de Web Design que minha mãe pagou pra mim anos atrás e só agora estou fazendo. Na verdade a parte do Design é ótima. Amo qualquer coisa relacionada a arte, como vocês podem ver no post abaixo, no meu Flickr e em várias coisas à minha volta, simplesmente AMO. Mas a parte que compreende Web… Cara detesto. Odeio código, odeio lógica, odeio matemática, odeio, odeio! (Na verdade é que não sei, não entendo. Esforço para aprender, cadê?)

Desde que tirei minhas férias não pisei no curso. Simplesmente larguei mão. De novo. Hoje acordei decidido a resolver essa situação. Por um ponto final nisso. Não gosto de pontas soltas na minha vida, e infelizmente esse ano tenho algumas que jurei amarrar. So listen what I did.

Enquanto estava indo para o tal curso, meu celular tocou duas vezes. Era o professor. Não atendi. Eu já estava indo para lá decidido a fechar o curso e pegar meu dinheiro de volta (se possível). Cheguei e ele abriu um sorriso enorme, me perguntando como eu estava, se estava tudo bem e que ele sentiu a minha falta. Ok, ele não é gay, antes que vocês perguntem.

Ele é desses professores que se interessam por alunos que se interessam em aprender. Quando o escolhi como professor eu pensei, já que não gosto dessa coisa toda de códigos, pelo menos pego um professor bom, que me ensine a gostar. E realmente por algum tempo deu certo. Me empenhei em ser um dos melhores, coisa de nerd. Mas quando chegou nos códigos TRU… a culpa é minha.

Disse a ele que estava de férias e ele logo me perguntou se tinha viajado, se era por isso que andei faltando. Repondi que sim, que fui conhecer Buenos Aires, e novamente ele me cortou dizendo que sempre quis conhecer a terra de nossos hermanos. Enquanto conversávamos ele foi me levando para a sala da coordenação. Só me dei conta quando cheguei! lá! Ele virou para a coordenadora, que já me conhecia, e disse as seguintes palavras:

“Esse é o Rafael, um aluno inteligente e esforçado. Ele está na minha turma de Web Design, que  já está fazendo prova. Ele andou faltando e perdeu muita coisa. Ele pode continuar na minha turma? Eu me encarrego de repor as aulas dele.”

Imaginem a minha cara de “oi?”. Minha reação foi apenas agradecer. Que mais eu podia fazer? Ele é conhecido como o carrasco, que não se apega a aluno, e olha o que esse cara me faz! O que posso fazer a não ser cumprir, e quem sabe, superar as expectativas dele?

Já encontrei esse tipo de pessoa em minha vida. Verdadeiros Mestres Jedis que ajustam as coisas nos mostrando o melhor caminho a seguir. Tive o privilégio de ouvir alguns desses mestres na faculdade e a vida me coloca mais um no caminho. O que esse Padawan aqui pode fazer a não ser escutar e aprender?

Todo esse cuidado que o universo está tendo comigo espero retribuir com meus alunos no próximo ano =)

May the force be with you \\//_